violencia

violencia

Rio de Janeiro apresenta queda de 23% em casos de homicídio doloso

No ano em que o estado tem mostrado bons números em diversas áreas da segurança, os casos de homicídio doloso também apresentaram diminuição.

Segundo dados divulgados pelo ISP – Instituto de Segurança Pública, o Rio de Janeiro apresentou a maior queda no registro de homicídios dolosos dos últimos seis anos. No acumulado do ano, houve 23% menos casos do delito registrados em todo o estado. O número chega no momento em que o Governo tem apresentado diversas ações para diminuir a criminalidade e, consequentemente, aumentar a segurança dos cidadãos cariocas. Em nota retificadora, o ISP alerta ainda para números ainda melhores do que os divulgados no início do ano. Até julho, 2.090 casos foram registrados, contra 3.101 se considerado o mesmo período de 2018.

Reprodução: Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro

O Governo do Rio de Janeiro também apresentou seus indicativos no portal que leva o nome Virando o Jogo na Segurança – iniciativa que visa apresentar para a população os dados atualizados das melhorias implementadas em toda a sua extensão. Segundo o site, além da queda de 23% em casos de homicídio doloso, mais de 700 vidas foram salvas apenas nos primeiros sete meses do ano. O número total de roubo de veículos também diminuiu em 22% no mesmo período. Como medidas de segurança, houve ainda o aumento na apreensão de fuzis em 24% e o crescimento de 8% no recolhimento de drogas.

Queda de homicídio doloso é um indicador de foco na vida do carioca

O número de mortes violentas também apresentou queda de 14% nos primeiros seis meses de 2019; e 23% nos casos de latrocínio e lesão corporal seguida de morte. Segundo o Governo do Estado, diversas ações com o intuito de tornar o Rio de Janeiro ainda mais seguro estão em pleno vapor e contarão com maior intensidade já até 2020.

Um dos principais focos e diretriz firmada pelo governador Wilson Witzel é exatamente a diminuição da letalidade local. E neste cenário, a queda nos casos de homicídio doloso apresenta um dos resultados esperados através do uso de todas as ferramentas do estado.

A Operação Segurança Presente, iniciativa que considera o dobro do número de efetivos em rua, na comparação com 2018, é uma dessas conquistas que conta com R$ 223 milhões em investimentos para garantir a segurança de regiões como Nova Iguaçu, Laranjeiras, Bangu, Botafogo, Barra da Tijuca, Vila Isabel/Grajaú, Austin, Miguel Couto e Duque de Caxias.

Reprodução: Governo do Estado do Rio de Janeiro

População se beneficia com o aumento na segurança

Com um saldo positivo na segurança do estado, o cidadão, além de contar com a preocupação do Governo em manter bons números e efetivar as suas ações, já conseguiu sentir a mudança no início de 2019. Segundo a corretora Minuto Seguros, a diminuição de 24% nos registros de furtos veiculares no primeiro semestre do ano conseguiu baratear em média 31% dos valores dos seguros de carros no estado. O ISP completa a boa notícia com mais um recorde; apresentando o menor número de furtos de veículos desde 2016.

Reprodução: Governo do Estado do Rio de Janeiro

Além de contribuir para o bolso dos motoristas, a segurança da mulher também entrou em pauta com mais força neste ano. Para tornar o acompanhamento de mulheres sob o regime de medidas protetivas na Lei Maria da Penha ainda mais efetivo, o Governo do Rio de Janeiro implementou o programa Guardiões da Vida.

O projeto consiste na entrega de 42 viaturas devidamente sinalizadas por Batalhão com profissionais devidamente treinados para agir ou intervir em casos de violência contra a mulher. Essa iniciativa colabora para a diminuição de homicídio doloso no Rio de Janeiro, se considerarmos que somente no primeiro semestre de 2019, mais de 164 mil ligações foram realizadas para o telefone 190 com queixas desse tipo de violência contra a mulher.

Novos rumos da segurança

Além do aumento da frota de viaturas e a maior efetividade das ações em todo o estado, resultando na queda no número de homicídios dolosos, o governador Witzel prevê grande eficiência na aplicação do sistema de metas para os policiais. Segundo análise realizada a assertividade do processo auxilia os estímulos que promovem o cumprimento de todas as metas por Batalhão. Segundo a pesquisa, o sistema atual de metas possui uma ligação direta com a diminuição nos casos de criminalidade no estado.

Fonte: Pixabay

Graças à grande preocupação com a segurança, o estado deve continuar apresentando bons resultados nos próximos meses. Na comparação entre junho e agosto de 2019, as Áreas Integradas de Segurança Pública (AISPs) também apresentaram índices positivos com o recuo em roubos de rua, carga e homicídio doloso. Na capital, a área conhecida como AISP 16, ou Olaria e adjacências, registrou os melhores números; com diminuição de roubos de carga e a terceira maior queda em casos de homicídio doloso no estado.

Luta contra violência doméstica ganha um novo aliado no Rio de Janeiro

Idealizado pela Polícia Militar, o programa Guardiões da Vida tem como principal foco a proteção à mulher

Com o objetivo de fornecer uma ferramenta de monitoramento mais ágil para as medidas protetivas da Lei Maria da Penha, o programa encabeçado pela Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro contará inicialmente com 42 viaturas para cada Batalhão, sendo que 3 delas circularão sob o regime do Comando de Polícia Pacificadora. Segundo a Major Claudia Moraes, uma equipe devidamente capacitada com policiais voluntários seguirá com as patrulhas em áreas de risco usando os veículos caracterizados.

O projeto intitulado Patrulha Maria da Penha: Guardiões da Vida chega ao Rio de Janeiro em um momento que os números da violência contra a mulher ainda são alarmantes. Segundo levantamento do Datafolha, até fevereiro de 2019, 1,6 milhão de mulheres sofreram algum tipo de violência em todo o país, sendo que em média 52% não denunciaram o agressor nem procuraram ajuda imediata.

Créditos: Moscow

Virando o jogo na segurança do Rio de Janeiro

A Secretaria de Estado de Polícia Militar do Rio de Janeiro, que anunciou a medida em abril deste ano, comemora a iniciativa como um programa estratégico de segurança em parceria com o Tribunal de Justiça que auxiliará centenas de mulheres de forma estruturada e ágil em todo o território estadual. Um protocolo de intenções foi assinado entre as partes, com o propósito de firmar a união das instituições em prol dessa causa.

As viaturas devidamente caracterizadas com a logomarca do projeto e uma tarja lilás completando a comunicação visual do programa iniciaram as suas atividades na Capital e na Baixada Fluminense, mas também circulam na Região Metropolitana e no interior. Ainda há o apoio das Unidades de Polícia Pacificadoras (UPP), considerando a ação na Rocinha, no Andaraí e na Barreira do Vasco.

Os policiais já capacitados permanecerão em um ciclo de treinamentos e vestirão braçadeiras especiais com a identificação do projeto. Esses agentes servirão como referência para os demais colegas de atividade, podendo auxiliá-los também com o direcionamento de atuação em diferentes situações, como queixas de desavenças familiares ou outras ocorrências que envolvam mulheres ou contextos delicados (como sob o regime de medidas protetivas).

Créditos: Moscow

Dados sobre a violência contra a mulher

Liderando o ranking de queixas pelo telefone 190 no Rio de Janeiro, denúncias de violência contra a mulher somam mais de 164 mil ligações somente no primeiro semestre de 2019. Segundo relatório estatístico divulgado pelo Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro, houve uma diminuição de 7.812 casos de medidas protetivas deferidas na região, o que pode sinalizar o avanço na efetividade desse tipo de ação de proteção à mulher. Ainda de acordo com o documento, de janeiro a junho deste ano, 408 prisões foram decretadas no Rio de Janeiro em virtude de violência contra a mulher.

No Brasil, segundo o Mapa da Violência coordenado e divulgado pela Organização das Nações Unidas (ONU), em 2015 cerca de 70% dos atendimentos policiais notificados no estado foram de vítimas mulheres — dado que colabora para manter o país na 5ª posição do ranking mundial de feminicídio.

Projeto Patrulha Maria da Penha: Guardiões da Vida

O programa chega ao Rio de Janeiro considerando o acompanhamento de experiências satisfatórias de mulheres em regime de medidas protetivas em todo o território. Segundo dados do estado, esse tipo de ação consegue, além de ampliar a sensação de proteção, inibir a reincidência.

Créditos: Moscow

A implementação do projeto entra em vigor como uma boa iniciativa em defesa da vida, da mesma forma que outras ações, como o Patrulhamento Motorizado Especial Escolar (PAMESP Escolar) e a PAMESP Bancária. Na prática, o Patrulha Maria da Penha pode ser entendido como um PAMESP em defesa da mulher e da família.

Além da frota nas ruas, a Polícia Militar contará com o aplicativo PMERJ Mobile, que apresenta um sistema que possibilita a integração das informações entre os diversos Batalhões e os juizados, a fim de contribuir para um atendimento ágil e a alimentação de dados estatísticos atualizados.

Avanços da Lei Maria da Penha no Brasil

A Lei nº 11.340/2006 — batizada como Lei Maria da Penha — completou 13 anos em agosto de 2019 e, embora enfrente diversos desafios, já apresentou grandes avanços rumo à proteção de mulheres em todo o território nacional. Um dos maiores ganhos, sem dúvida, é a notoriedade que a lei tem conquistado. Graças a ela, diversas mulheres puderam se sentir amparadas e encorajadas a realizar denúncias.

Certamente, a lei sozinha não é suficiente para diminuir ou eliminar casos de agressão e feminicídio no país; entretanto, medidas como o projeto Guardiões da Vida demonstram um passo otimista e tangível na direção da segurança e do aumento da confiabilidade dos cidadãos em todo o estado.

Índice de mortes violentas cai 14% em 2019 no Rio de Janeiro

Virando o jogo na segurança, Governo do Estado do Rio de Janeiro apresenta queda nos índices de violência

Anunciando os resultados da efetivação de suas políticas públicas no início de 2019, o Governo do Estado do Rio de Janeiro divulgou novos dados otimistas para a segurança. Com queda de 14% no índice de mortes violentas no acumulado do ano, o indicador já é considerado um recorde na diminuição de homicídios desde 1991. Até julho, 5.077 armas de fogo foram apreendidas, considerando ainda uma redução de 23% no número de latrocínios e lesão corporal seguida de morte. O Governo anunciou também que as polícias Civil e Militar continuam apoiando ações de amparo à segurança com maior intensidade já até 2020.

 Até julho, 5.077 armas de fogo foram   apreendidas, considerando ainda uma   redução de   23% no número de latrocínios e lesão corporal   seguida de morte.

O governo  reforçou seu trabalho em virtude do resgate de autoridade estatal com o máximo de rigor às ações criminosas, considerando como a principal diretriz a diminuição da letalidade que alarma o local. Virando o jogo na segurança, o governador Wilson Witzel comentou que as medidas devem ser permanentes e os números devem continuar caindo. Neste ano, segundo dados do Instituto de Segurança Pública (ISP), houve 754 vítimas de homicídio doloso e 2.491 com latrocínio e lesão corporal seguida de morte – contra 3.101 casos semelhantes no último ano.

Créditos: Moscow

O relatório do Instituto, divulgado em agosto deste ano, reforça os bons resultados apresentados pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro e a efetividade das ações de políticas públicas intensificadas. Segundo o documento, o número de roubos de carga e de rua foram os menores desde 2016. Quanto ao roubo de veículos, foram 3.198 ocorrências em julho deste ano, uma redução de 9% na relação ao ano de 2018 – se os meses de maio, junho e julho forem analisados juntos, o acúmulo da queda é ainda maior, com 16%. Roubos de carga tiveram 691 situações registradas desde janeiro, com uma queda de 5% em julho na relação com o mesmo período do ano anterior.

Redução de criminalidade nas Áreas Integradas de Segurança Pública (AISP)

As maiores variações na comparação entre maio e junho de 2019 em relação ao ano anterior, mostra que a região de Olaria e suas adjacências apresentou a maior redução em roubo de carga; Queimados apresentou a maior redução em homicídios dolosos; Duque de Caxias, a segunda maior redução em roubos de rua; enquanto São Gonçalo conquistou uma diminuição considerável tanto em roubos de rua quanto veicular.

Operação Segurança Presente

Em coletiva de imprensa realizada no final de julho, o Governo do Estado do Rio de Janeiro anunciou o dobro do número de efetivos na Operação Segurança Presente, considerando 2.000, em relação aos 1.000 profissionais anteriores. Além deste número, outras ações para programar este efetivo, como a gratificação de militares que trabalham para a Segurança Presente nos dias de folga, contempla algumas das ações previstas na verba orçamentária destinada à segurança que é de R$ 223 milhões até o próximo ano. Virando o jogo na segurança, a operação deve contar ainda com a ampliação do projeto em nove locais; contando com efetivo em Nova Iguaçu, Laranjeiras, Bangu, Botafogo, Barra da Tijuca, Vila Isabel/Grajaú, Austin, Miguel Couto e Duque de Caxias.  

Créditos: Philippe Lima

Apreensão de armas no Estado

A diminuição do armamento nas ruas também segue virando o jogo na segurança do Estado com a colaboração das polícias Civil e Militar, em atenção ao bem mais importante que é a vida humana. Até julho, 5.077 armas de fogo foram apreendidas das ruas do estado considerando 349 fuzis; o maior registro desse tipo nos últimos anos – o que representa uma média de 24 armas recolhidas por dia. Com a criação do Departamento Geral de Homicídios e de Proteção à Pessoa, os números devem seguir cada vez em direções mais satisfatórias para a população.

Créditos: Andre Gomes de Melo

Atuação no ISP no Rio de Janeiro: transparência da informação

A Instituição de Segurança Pública do Rio de Janeiro mantém o acompanhamento dos números da violência e da efetividade das ações do governo com transparência e assiduidade para apresentar os dados de segurança no estado.  A Instituição apresenta, através de seu portal, registros criminais, estatísticas e informações complementares relevantes para o acompanhamento da população sobre as melhorias propostas para a cidade. Os dados são atualizados garantindo a consulta via Lei de Acesso à Informação e considera em seu escopo atividades como a consolidação de dados objetivos através das autoridades competentes, coordenação de conselhos comunitários, elaboração de pesquisas e análises, apoio à implementação de políticas, auxílio na conscientização de problemas e antecipação de dados para controle e monitoramento de crises.

Novos rumos da segurança pública

Além de contar com as polícias Civil e Militar, que ganharam 391 novos agentes, e o acompanhamento constante da efetividade de seus projetos, o Governo do Estado do Rio de Janeiro segue virando o jogo na segurança através de diversos programas e seu compromisso com a transparência, intensificando o empenho com a diminuição no número de homicídios.